Archive | October, 2014

NO FUNDO EU SOU MESMO COMO UM PÃOZINHO

16 Oct

Hoje é DIA DO PÃO, que grata surpresa quando recebi um release sobre o assunto. O pãozinho nosso de cada dia tem para mim mais do que um significado gastronômico, é lembrança do coração,  emocional. Fui criada no meio de tabuleiros de pães, literalmente, lembro com um carinho extremo das brincadeiras na produção da primeira padaria da minha vida, a padaria do meu tio e padrinho, no bairro onde morávamos e onde minha mãe trabalhou por alguns anos.

Me recordo do cheiro e do barulho dos “estalinhos” dos pães enquanto descansavam já assados, esperando a hora de serem levados num saquinho marrom pelo próximo cliente, sedento daquelo gostinho de miolo quente com manteiga derretida. Hum, hum, hum!!!! Lembro de pular como louca no local proibido, o quarto de sacos de farinha… o trio parada dura: eu, meu irmão e meu primo, saíamos de lá todos brancos e enfarinhados; quando flagrados pelos adultos levávamos uma bronca, e os meninos às vezes uns tapinhas  no bumbum, forma que se educava as crianças “levadas” antigamente.

Estalando e saindo do forno

Estalando e saindo do forno

Vieram as outras padarias da família e os pãezinhos da minha vida, os da adolescência foram  na padoca da minha mãe no centro de São Paulo, dessa eu guardo lembranças de um período difícil mas com lições de luta e amor. Lembro da produção dos pãezinhos, no andar de cima, já mocinha não brincava mais entre os sacos de farinha, no alto dos meus 12 ou 13 anos passava meu tempo sonhando com o filho do entregador de leite, que nunca sequer olhou para minha cara de pirralha e cheia de espinhas, rs…

Muitos anos se passaram, a padaria foi vendida no mesmo ano que eu entrei na faculdade de jornalismo e fui trabalhar na tv, mudei minha relação com os pãezinhos, agora não mais vendia, mas comprava. O melhor dos meus dias e das reportagens na tv era a hora de parar na “padoca” para tomar o café da manhã, com cafézinho preto e um pãozinho na chapa, hábito bem paulistano, que eu adquiri nas ruas com as equipes de reportagem, no auge dos meus 18 anos.

Que tempo bom e que saudades  dos pãezinhos do meu passado, quando havia um significado diferente para as coisas, quando os sonhos e as expectativas em relação a vida nada tinham a ver com o que vivemos hoje. Da primeira infância para cá lá se vão mais de 25 anos, e as lembranças dos pãezinhos é a recordação daquilo que fui, da minha história, de onde vim, da construção da minha família de origem. É a certeza de que o passado, mesmo que por vezes tenha sido difícil, deve ser sempre aprendizado para o presente, e que devemos buscar em todas as experiências da nossa vida,  o sabor da felicidade, venha de onde vier, especialmente dos pequenos momentos.

Hoje já não tenho meu padrinho, que brilha entre as estrelas no céu, estou fisicamente longe da minha família, a quem amo profundamente e nutro extrema saudade,  mas por aqui,  além mar,  me resta sempre as boas lembranças do cheirinho de pãozinho quente…  e vocês sabem como eles crescem?

O pão cresce devido a um processo de transformação interno realizado pela levedura, o crescimento se dá por uma alteração química que acontece dentro da massa, e aí é que penso que acontece a grande  sincronicidade, hoje antes de receber o release, algumas coisas me fizeram pensar o quanto eu e o Dani estamos crescendo e amadurecendo com nossa vivência no exterior, e nessa vida de metáforas percebo que sou mesmo como um pãozinho, durante anos sofri e continuo sofrendo intensas modificações em busca de crescimento interno, e me sinto cada vez mais pãozinho assado com cheiro e sabor de vida, mais ou menos assim:  pronta para novos desafios, aquecida por dentro e recém saída do forno.

VIVA AOS PÃEZINHOS NOSSOS DE CADA DIA! VIVA!!!

Beijo estalado nos amigos, de preferência acompanhado de café!

Silvia Lourenço

 

 

 

 

 

 

Advertisements

DIA DAS CRIANÇAS ESPECIAL COM BRIGADEIRO

11 Oct

Amanhã é DIA DAS CRIANÇAS, data tão importante para os pequenos e para nós grandões também. Agora no fim do dia estive pensando sobre isso, aqui em casa não programamos nada de especial, porque DIA DAS CRIANÇAS especial mesmo, a gente tem diariamente com a Valentina, nos pequenos momentos que transformamos em  grandes.  DIA DAS CRIANÇAS BOM é quando estamos os 3 juntinhos brincando e cantando em casa, ou passeando  pelo Rio, ou tomando nossos cafézinhos da tarde juntos, ou quando nos aventuramos em mais uma viagem, achamos que esse é o melhor presente que podemos proporcionar para ela.

Mas DIA DAS CRIANÇAS é DIA DAS CRIANÇAS, e queremos que ela se lembre com carinho dessas datas, então agora, meio em cima da hora pensei em como transformar nosso domingo em um dia ainda mais especial, e que ela marque em seu coraçãozinho as lembranças afetivas daquilo que fazemos juntos. Vamos sim levá-la para comprar um brinquedinho, mas pensei em fazermos juntinhos em casa mesmo,  uma coisa bem bacana.

Valentina descobriu recentemente o brigadeiro, pois é, mesmo contra nossa vontade, que no dia a dia evitamos dar doces para a pequena, a vovó Bete, que faz o melhor brigadeiro do planeta, introduziu a iguaria ao cardápio da Valentina nas últimas férias no Brasil (kkkk). Então era tio e tia dando brigadeiro escondido para a Valentina, vovó e Bibi dizendo que era um só, e no fim nos divertimos juntos. Eita brigadeiro bom de vovó, esse tipo de amor não tem preço.

Como a Nina adora manusear massinha, pintar, gosta muito das atividades manuais e AMA DOCINHOS, vamos fazer brigadeiro juntos pela primeira vez. Coincidentemente recebi uma sugestão de pauta para o Dia das Crianças da marca BONDUELLE e ao invés de fazer de chocolate vamos fazer de milho, ingrediente que todo mundo adora aqui em casa.

Compartilho com vocês nossa receitinha de amanhã e se der tempo passamos por aqui para postar as fotinhos:

BRIGADEIRO DE MILHO

Brigadeiro de Milho. Imagem divulgação

Brigadeiro de Milho. Imagem divulgação

Receitinha da Bonduelle

Rendimento das delícias: 20 unidades

Tempo da diversão: 20 minutinhos,  mas como com as crianças vale a farra é pelo menos 1 hora para a brincadeira.

Ingredientes

1 lata de Milho 200 gr (no meu caso vou usar milho in natura porque não vi Bonduelle na Inglaterra)
1 lata de leite condensado
100g de coco ralado
240ml de creme de leite fresco
1 colher (sopa) de manteiga
Coco ralado para decorar

Preparo
No liquidificador bata o milho escorrido, o leite condensado, o coco ralado, o creme de leite e a manteiga. Transfira para uma panela, leve ao fogo mexendo sem parar até engrossar e soltar do fundo da panela. Deixe esfriar e molde os brigadeiros. Passe no coco ralado e coloque em forminhas.

Dica Bonduelle
Você também pode decorar os brigadeiros de milho com chocolate branco granulado ou com açúcar colorido.

E como Valentina fala para Papai do Céu nas orações que fazemos juntos antes de dormir: “QUE TODAS AS CRIANCINHAS DO MUNDO TENHAM A MESMA SORTE QUE EU”. E no dia de hoje nós complementamos: QUE PAPAI DO CÉU OLHE POR TODAS AS CRIANCINHAS DESSE MUNDO, QUE NUNCA FALTE COMIDA NEM AMOR.

Um beijo com gosto de brigadeiro amigos, ótimo DIA DAS CRIANÇAS PARA TODOS VOCÊS!