Archive | February, 2014

UM OLHO NO PEIXE E OUTRO NA GATA

27 Feb

Hoje consegui queimar as batatas e a cenoura, o pior de tudo é que elas estavam sendo cozidas, consegui deixar secar a água e só percebi quando o cheiro já se alastrava pela casa… também vamos falar sério, tem dias que é impossível dar conta de tudo,  ao mesmo tempo que eu preparava os legumes, cortei a cebola, o espinafre, e  como dizem por aí eu ainda estava  COM UM OLHO NO PEIXE (literalmente) E O OUTRO NO GATO,  aliás com o olho na GATA.

A gata a que me refiro tem 1 ano e 8 meses, 85 cm, quase 12 Kg e responde pelo nome de Valentina, ela tem a capacidade motora de saltar de um sofá para outro, escalar a cadeira e a mesa, subir nas costas do sofá e se pendurar no espelho entre outras coisinhas mais, às vezes eu tenho certeza que ela tem algum parentesco com a Mulher Gato. Minha gatinha não sossega um único segundo durante o dia;  já sei, já sei, vocês vão dizer que é sinal de saúde, graças a Deus;  mas vamos ser realistas,  tem que ter “coluna” para correr atrás de crianças como a ” Valentina furacão” e às vezes quando estou cozinhando a coisa fica quase impossível.

Só eu cozinho em casa e não tenho ninguém para tomar conta da pequena, exceto nos horários que o Dani já chegou, e nesse caso ele me ajuda demais (Nossa Senhora das Mães Desesperadas que sempre abençõe esses Santos Maridos). Aqui pela Europa empregada é sinônimo de luxo e MUIIITA RIQUEZA, isso é sério, as pessoas não tem babá e empregada simplesmente porque pelos valores “astronômicos” é quase impossível,  além disso os Europeus apreendem desde cedo a ajudarem em casa, a se virarem… faxineira e babá ganha por hora em Londres, e eu nem vou contar quanto custa a hora para ninguém enfartar… mas só para terem uma ideia tenho uma faxineira 1 vez por semana no período da tarde e ela custa o mesmo que uma empregada todos os dias no Brasil, então já deu para ter uma ideia, né???

Com essa realidade os Londrinos simplesmente tem que se virar, e acreditem, ainda não sei como,  mas eles se viram com 1, 2, 3 filhos, trabalhando e ralando muito… e eu que venho super “mal acostumada”do Brasil, com 2 pessoas me ajudando em casa e mais 10 câmeras para monitorá-las estou reaprendendo a viver, apreendendo como as Londrinas fazem, me desapegando do “estilo de vida” que levávamos do outro lado do oceano e me abrindo para o novo.

Enfim, não há nenhum problema em cuidar da casa, da minha gatinha, aliás estou realizando o sonho de cuidar da minha pequena porque não tive licença maternidade, mas ainda me sinto um pouco perdida com tudo:  a casa, a comida, a Valentina voando feito foguete, meus “negócios” e pendências no Brasil, meu projetos, pesquisas, etc…. é tanta coisa que fico imaginando que tudo só vai se “assentar” na hora que a Valentina for para a escolinha, aí sim espero conseguir tirar os projetos do papel e me JOGAR no mundo novamente, espero. Enquanto isso não acontece, sigo queimando batatas, inventando receitas que nem sempre dão certo,  e tentando esmurrar uns ingredientes diferentes que vivem querendo me tirar da linha.

Bem, no meio da confusão hoje fiz um Haddock ao molho de limão Siciliano para minha gatinha, fiz tudo “de olho” claro, e como sempre fui eu que inventei com o que tínhamos na geladeira, mas ficou bom. Fiz uma receitinha que daria para 2 pessoas com  2 filés grandes e suculentos. Se você quer uma receita maior é só dobrar a quantidade de tudo, não tem erro, então aí vai pessoal:

Hora de separar os ingredientes:

– 2 filés grandes de Haddock (média de 300 grs) ou outro peixe branco que a pessoa goste;

– 1/4 de talo de alho poró (eu adoro e a Valentina também então eu capricho, se a pessoa não gostar tanto pode ser um pouco menos);

– 2 colheres de sopa de azeite (dos bons pelo amor de Deus);

– Suco de 1 limão siciliano pequeno;

– 2 colheres de sopa (rasas) de salsinha;

– Sal e pimenta à gosto.

Preparando: 

– Corte a salsinha e alho poró e reserve. Tempere os filés com o suco do limão, sal, pimenta e acrescente a salsinha e o alho poró. Deixe apurar o sabor dos temperos por uns 20 minutos e vire os filézinhos para eles pegarem o gosto do limão. Coloque em uma assadeira e acrescente em cima do peixe as 2 colheres de azeite, cubra com papel alumínio e leve ao forno já aquecido( em média 180 a 200 graus). Deixe os peixes assarem por uns 10 minutos, tire o papel alumínio e deixe-os dourarem por mais uns 10 minutos, sempre lembrando de molhá-los com o líquido que se formou na assadeira.

Dica da “aprendiz de chefinha”: Se você gosta de outras ervas como cebolinha, coentro, alecrim, sálvia, tomilho… vá em frente, todas essas ervinhas combinam com peixe e são ótimas, fiz com as que eu gosto e que eu tinha disponível, mas o segredo é o temperinho, arrisque o seu. O peixe é super fácil, rápido e fica muito gostoso, sugiro servi-lo com um purê de batatas e cenoura, e com espinafre, como eu fiz por aqui!

Bem, já é madrugada, hora de ir. Daqui a pouco minha gata desperta chamando a mamãe.

Beijos saborosos em todos vocês!

Silvia

Advertisements

CHOREI DE SAUDADES

6 Feb

Terminei de tomar meu café da manhã há pouco e corri aqui para escrever sobre meu sentimento nessa manhã. Senti o cheiro do café e imediatamente meu cérebro se deslocou para a casa da minha mãe, para os almoços de domingo e o cafézinho que ela faz para nos agradar no começo da tarde, sempre preocupada se está bom, se está forte, se está “do nosso gosto”. CHOREI DE TANTA SAUDADE, pela primeira vez em toda a minha vida CHOREI  MUITO com o coração mais do que  apertado com uma SAUDADE extrema, como nunca senti, talvez pela ansiedade do reencontro.

Café com amor.

Café com amor

Só quem é exilado, “expatriado“, “exportado“, “emprestado“, ou qualquer outro “ado” que possa existir nessa vida consegue entender o que é essa sensação, parece que quando estamos fora os sentimentos se multiplicam em ordem exponencial. Temos viajado muito porque acho que nascemos com um certo “defeitinho nos genes”, uma tal de “rodinha nos pés” que nos dá uma  vontade monstruosa de desbravar mapas, conhecer novos lugares e culturas, voar feito passarinho livre… me lembro de ser assim desde criança (embora não viajássemos com frequencia, e quando isso acontecia o roteiro era sempre o mesmo: a praia) sempre amei viajar.

Em Boston, cidade que amamos!

Em Boston, cidade que amamos!

Às vezes ficamos 1 ou 2 meses longe da família, são sempre curtas temporadas, mas dessa vez é diferente, a “temporada” é um pouco mais longa, além disso hoje temos nossa pequena….Valentina abre os bracinhos para ABRAÇAR o computador quando vê a vó, os bisavós e os dindos,  e aí eu penso: “Ai meu Deus, tão pequenininha e ela também sente SAUDADES”… e com tudo isso nossos corações vão seguindo sempre apertadinhos, tentando colocar em dia as novidades familiares através da internet, mas sempre com a ausência física e  sem o calor do ABRAÇO.

Tenho tentado me segurar firme, é assim que caminho na maioria dos dias da minha vida, tentando ser sempre FORTE para lutar pelos pequenos e grandes desafios diários, mas hoje a “alma” fala mais alto, o cheiro do café me levou até meus amores, na minha terra “verde e amarela”, e  aproximou meu coração daquilo que mais prezamos na vida, nossa família e nossos amigos, aqueles que nos cercam com amor.

E se me perguntarem quais são as vantagens de morar em outro país, passarei dias enumerando uma série de boas razões, mas  a maior desvantagem de estar fora eu sei de cor, está  na ponta da língua e no coração: é a SAUDADE.

Então família e amigos BOTEM ÁGUA NESSE FEIJÃO, preparem o pó de café que a GENTE ESTÁ CHEGANDO! Garantia de fortes ABRAÇOS, boas risadas, e um tempo curto mas suficiente para MATAR UM POUQUINHO DESSA SAUDADE!

E para minha prima Tina, que está fazendo contagem regressiva para CHEGARMOS, um grande beijo, esse post é dedicado especialmente à vocês! AGORA FALTA POUCO!!!!

Café brasileiro, o melhor do mundo!

Café brasileiro, o melhor do mundo!

Bjos à todos e nos vemos nas terras “quentes” do BraZil.

Silvia